Stellaris patch

Muita água correu desde o nosso review de Stellaris, um jogo 4X de ficção ciêntifíca criado pela Paradox Entertainment. Quando falamos deste excelente jogo, podia-se dizer que ele ainda não tinha amadurecido, ainda tinha vários pontos em falha e a própria AI era fraquinha.

Contudo, muito mudou desde então e a Paradox tem lançado com regularidade várias patches que melhoraram significativamente o jogo. E ao contrário do que acontece em muitos outros jogos, a patch só é lançada após algum período largo de experimentação por parte dos jogadores (lançada sob forma de beta meses antes do lançamento oficial). Assim, quando a patch sai ela está sólida e já responde a muitos dos problemas colocados pelos jogadores.

As várias patches, que receberam nomes únicos para serem mais fáceis de identificar, introduziram várias mudanças significativas. No jogo original, por exemplo, todos os recursos estratégicos eram limitados e por vezes usados para componentes de naves. Desde a sua versão de lançamento, a 1.0.3, até à sua versão actual 1.6.2 Adams (excluindo a 1.7 já em beta), isso mudou. Componentes das naves não usam mais recursos estratégicos e o número de edifícios que os usam aumentou. Para além disso, passaram também a dar bónus fixos para todo o império (por exemplo, o recurso ‘Terraforming Gases’ reduz o custo de fazer terraform a um planeta). E alguns dos recursos estratégicos originais tornaram-se ‘recursos locais’ em certos planetas, só podendo ser aproveitados por edifícios específicos construídos no espaço desse recurso.

Com todas estas patches, Stellaris ganhou mais um novo recurso: ‘pontos de união’, que representam a força da cultura do império, fornecidos por edifícios. Estes permitem desbloquear tradições que fornecem bónus espectaculares e imensamente importantes. Quando se completa todo um conjunto de tradições, desbloqueiam-se ainda ‘perks de ascensão’, que fornecem ao império bónus fenomenais (como por exemplo, dano extra contra Crises de Final de Jogo, ou contra Impérios Caídos, ou coisas como reduzir o tempo de terraform para metade, etc).

Ecrã de 'tradições em Stellaris

O jogo também foi bastante melhorado em termos de AI, de como as batalhas espaciais se desenrolam e nas opções de diplomacia (já é possível pedir paz separadamente dos nossos aliados, a menos que se pertença a uma Federação e nesse caso só o líder da Federação pode pedir paz). Há mais opções para as Federações e foram introduzidas facções neutras que podem fornecer mapas, ajuda na pesquisa de tecnologia, ‘pontos de união’, edifícios únicos, e até mesmo trocar recursos ou fornecer recursos estratégicos.

Já agora, se gostam de desafios, que tal ‘Guardiães’, criaturas únicas que protegem um sistema solar ou buraco negro e que são difíceis de destruir? Mas depois de destruídos, alguns deles desencadeiam eventos. E os Impérios Caídos ganharam muitas adições, desde a possibilidade de construirem exércitos, a personalidades próprias. E durante o jogo é mesmo possível que um desses Impérios decida ‘acordar’, tornando-se num oponente imensamente forte que tentará conquistar ou subjugar os restantes impérios da galáxia.

E quem, como eu, gosta de fazer longos jogos de Stellaris ficou fascinado com a introdução de mega-estruturas, que são grandes construções espaciais que custam uma quantidade gigante de recursos. Alguns exemplos são a Esfera de Dyson, que permite fechar uma estrela dentro de uma grande mega-estrutura e com isso ganhar uma quantidade gigante de energia, um mundo-anel, que permite construir uma estrutura habitavel em redor de uma estrela, habitats que funcionam como estações gigantes para um total de 12 pops, etc.

Dyson Sphere em Stellaris

Houve também mais adições genéricas, introduzidas por estas patches, como novas leis e mais opções para o melhoramento das raças e governos.

Infelizmente há coisas que se mantém por resolver. Os melhoramentos na diplomacia são bons mas não extensos como poderiam ser e o jogo continua a ter uma grande falha na variedade de naves (para quem joga à velocidade máxima, rapidamente se chega ao melhor tipo de nave e depois não se tem mais variedade). E continua a ser impossível melhorar as estações já construídas para que se tornem mais resistentes a ataques.

 

Ainda assim, todas estas patches têm melhorado imenso o jogo ao ponto de ser dos melhores 4x de ficção científica que existe hoje em dia.

Aconselho vivamente a experimentarem o jogo, mesmo que já o tenham experimentado na versão vanilla e depois o tenham largado. Se gostam do género, garanto-vos que vão adorar Stellaris como está agora.

1 COMENTÁRIO

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.