Electronic Arts

Provavelmente a maior companhia de jogos do mundo, a Electronic Arts continua a ter grande presença nas conferências E3 e este ano não foi diferente. Apesar da sua má reputação (em apoio ao cliente, de destruir boas sagas e companhias mais pequenas, e de sacrificar a qualidade dos jogos em prol do dinheiro) e de ter visto polémicas em volta dos seus jogos (como aconteceu com o final de Mass Effect 3), a companhia continua a apostar em grandes títulos que nos fascinam (apesar de alguma polémica em torno de um ou outro jogo) e que lhe rendem grandes quantias de dinheiro.

Comecemos por Battlefield 1, uma nova iteração da saga Battlefield mas que desta vez recua no tempo para uma guerra que pouco se vê nos jogos de computador: a 1ª Guerra Mundial. Apesar da preocupação inicial de que a juventude americana não saberia identificar a guerra em que este jogo decorre, espera-se que Battlefield 1 seja um sucesso com grandes batalhas dinâmicas de multiplayer. Para além disso, a EA anunciou que até mesmo os veículos ‘gigantes’, como é o caso de dirigíveis, podem ser controlados pelos jogadores.

 

Outro título esperado é Titanfall 2, a sequela do shooter com robôs gigantes. Ao contrário do seu antecessor, que era puramente multiplayer, Titanfall 2 terá uma campanha single-player focada num soldado e o seu Titan.

 

Outro grande título é, sem dúvida, Mass Effect Andromeda. Apesar da polémica que envolveu o final de Mass Effect 3, esta saga marcou a história dos RPGs e a Electronic Arts não pretende deixa-la tão cedo. Andromeda decorre noutra galáxia completamente distinta, muitos anos depois dos eventos de Mass Effect 3. De que forma a ligação com o jogo anterior será feita, ainda é algo desconhecido. Entretanto, nesta E3, o jogo recebeu mais um trailer onde é revelado a qualidade gráfica e cinemática do jogo.

 

Numa tentativa de expandir o seu mercado, a Electronic Arts revelou EA Originals, um braço da companhia que irá incluir lançamentos de jogos Indie (que têm ganho expressão nestes últimos anos). O objectivo é entrar em parceria com pequenas empresas de jogos e todos os anos lançar estes pequenos projectos de grande potencial. O primeiro cabe a Fe, desenvolvido pela Zoink Games.

 

Na onda dos simuladores de desporto, entram Madden NFL 17 e Fifa 17. Embora para o primeiro não hajam adições ou mudanças notórias (voltando assim a cair na polémica de serem jogos demasiado idênticos aos antecessores e portanto não valerem o preço de lançamento), o segundo já terá uma mudanças significativas, tal como já foi visto aqui no GamingPT.

 

Hoje em dia não se pode falar em Electronic Arts sem referir Star Wars. Graças a uma licença exclusiva, a EA tem os direitos de publicação de quaisquer jogos de Star Wars nos próximos anos e já há muitos planos na mesa. A companhia pretende assim acompanhar a Disney e beneficiar do novo foco que esta grande saga de ficção cientifica está a ter. Aqui fica o video divulgado no painel da EA na E3 2016, relativo ao futuro dos jogos de Star Wars.

 

Tenham a opinião que tiverem deste gigante do mundo dos jogos, ele é o responsável pelo financiamento e lançamento de excelentes sagas. É de esperar que assim continue e que pelo menos as polémicas a envolver os seus jogos desvaneçam ou não ameacem a qualidade destes.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.