Magic the Gathering

Eu jogo jogos de cartas à mais de 20 anos. Comecei com Magic e ao longo de duas décadas vi e aprendi muito com muitas pessoas diferentes.

E é essa experiência que venho partilhar hoje, no primeiro do que espero ser uma série de artigos sobre a arte do jogo, na esperança que pelo menos uma pessoa, algures no mundo, se torne ligeiramente melhor no jogo da sua eleição.

Sorte vs Perícia

Para começar quero deixar claro o que é um jogo de perícia e um jogo de sorte e explicar porque é que um jogo de cartas não é nenhum dos dois, mas antes uma amálgama dos dois conceitos.

Um jogo que depende 100% de sorte é um jogo onde os jogadores não têm nenhum controlo sobre o resultado deste. Por definição não são jogos muito interessantes e ainda menos interactivos. Um exemplo seria cada pessoa coloca um dado da sua cor dentro de copo, abana-se o copo e despeja-se os dados para a mesa. O jogador com o numero mais alto no dado ganha. Esta experiência é totalmente desprovida de perícia, inclusive garantindo que os dados não são atirados pelos jogadores, removendo a possibilidade de alguém mais experiente a lançar dados pudesse ter uma vantagem.

Um jogo que dependa 100% de perícia é, no meu ponto de vista, algo mais interessante e a prova disso é que existe um culto a alguns deles desde do tempo da Grécia antiga, os jogos olímpicos. Modalidades como lançamento do peso, salto em altura e salto em comprimento, dardos, são tudo jogos que dependem inteiramente da perícia de quem os está a jogar. Um pré-requisito para um jogo não ter componente de sorte é que todos os jogadores têm de ter uma mesma probabilidade de ganhar independentemente da posição em que jogam. Isto exclui alguns jogos que o conhecimento popular define como jogos de perícia como o xadrez.

Xadrez, Preto Branco, Peças De Xadrez, Rei

Antes de pegarem nas tochas e ancinhos, um estudo feito pelo site Chessgames.com em 2015 mostrou que os jogadores com as peças brancas ganham 54.95% dos jogos, provando que a aleatoriedade da escolha do primeiro jogador tem um efeito directo na probabilidade de Victoria.

Por outro lado, imaginem um jogo de dardos ou bowling, em que as condições são as mesmas para todos os jogadores e todos têm a mesma probabilidade de ganhar quando o jogo começa.

Onde encaixar os Trading Card Games?

Agora que consegui definir o que seria um jogo 100% dependente de sorte e de perícia, pergunto-vos, acham que um TCG está em algum destes dois grupos? Claro que não.

Um TCG (Trading Card Game, Jogo de Cartas Colécionaveis)/ CCG (Collectible card game) é um jogo em que os jogadores vão coleccionando e trocando cartas para fazer a sua colecção.

Desta colecção juntam grupos, baralhos, com que jogam contra outros jogadores que também utilizam os seus baralhos.

Um TCG encontra-se confortavelmente no meio dos dois, mas no entanto, sempre que há um grande grupo de pessoas a jogar um jogo ouvimos as frases “Perdi porque tive azar” ou  “O meu oponente tinha sempre as cartas certas quando precisava delas” e as vezes “Ganhei quando joguei melhor que o meu oponente”.

Baseado nestas frases (e vamos ser honestos, já todos as dissemos pelo menos uma vez algures no tempo), parece que sempre que ganhamos é devido a pura perícia e quando perdemos é pura sorte, no entanto já provamos que TCG têm ambas as componentes. Assim sendo, o que se passa?

30% dos jogos que jogas não podes ganhar e outros 30% não podes perder. O vosso papel enquanto jogadores é ganhar os outros 40%

Uma partida de um jogo não é determinística, quando os jogadores se sentam um a frente do outro não se pode saber quem vai ganhar. Os jogos têm uma variância que é saudável, garantindo que existe uma oscilação nos resultados. Se os jogadores tivessem acesso a todas as cartas do seu baralho no inicio do jogo, provavelmente os jogos iriam acabar por ser todos iguais, mas os jogadores normalmente não têm acesso a todos os recursos presentes no seu baralho.

Por exemplo, num formato de limitado em Magic em que os decks têm 40 cartas e os jogos acabam entre o 7 e o 10 turno  os jogadores tendem a comprar um pouco menos que metade das cartas. No entanto fatigue warrior em Hearthstone consistentemente comprava todas as cartas do seu deck e garantia que o oponente também o fazia.

Jogos diferentes, com regras diferentes permitem estratégias diferentes, mas no entanto a variância existe sempre e o nosso papel é saber navegar pelo meio  dessa variância. Mas como?

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.