Left Alone

Left Alone é um jogo Indie de ambiente de terror. À semelhança de jogos com Outlast, Soma e Amnesia: The Dark Descent, este jogo de exploração foca-se em criar uma atmosfera que nos deixa tensos e assustados. E para um jogo Indie, Left Alone consegue fazê-lo bastante bem.

Em Left Alone controlamos um homem, Joel, que sofreu de um grave acidente. Após semanas de recuperação, dois dos seus melhores amigos convidam-no a acampar num local sossegado e isolado, algo que os médicos dizem que será bom para nós.

Floresta em Left Alone

O local é idílico, com pouco mais do que a natureza à nossa volta. Joel chega, os dois amigos já se encontram lá e enviam mensagem a dizer que foram explorar um pouco. Não vão demorar, dizem, e pedem para preparar o resto do campo. Parece fácil. Até que Joel tem uma recaída e perde os sentidos.

Este acorda já de noite, ainda tonto, e percebe que está sozinho. Pega no telemóvel e lê poucas mensagens no mínimo perturbadoras. Os seus amigos foram explorar uma escola abandonada. Excepto que não estava, há alguém lá dentro a persegui-los.

Joel terá de entrar na escola, fechada há muito devido a passado macabro que foi escondido sobre forma de acidente químico. Terá de o fazer porque os seus amigos estão em apuros, e porque somente eles o ajudaram após o acidente. A urgência das mensagens torna claro que não temos tempo a perder, é preciso encontrar a escola.

Esta é a premissa de Left Alone, e como se pode deduzir iremos ser confrontados com o passado desta escola, descobrindo os motivos nefastos pela qual ela foi encerrada. E se a floresta à noite já nos deixa um pouco em sobressalto, a escola em si cria um ambiente muito mais assustador.

https://i1.wp.com/cdn.akamai.steamstatic.com/steam/apps/417750/ss_d7c8a869b434732c9f1a379362312c4848dea031.600x338.jpg?w=696

1
2
REVIEW GERAL
Avaliação Pessoal
6.7
Engenheiro de profissão e gamer por gosto, João Paulo adora boardgames, RPGs de mesa e computador, RTS e shooters e olha para jogos para uma excelente forma de arte, transmitir emoções e contar histórias fenomenais.

Deixar uma resposta