Microsoft

Actualmente a guerra de consolas tem sido maioritariamente entre PS4 e Xbox One, estando a Xbox da Microsoft consideravelmente atrás. Nesta E3 o gigante da informática decidiu mostrar que não aceitará mais isso. Embora não esteja a seguir os passos da SONY e a entrar na realidade virtual, tal como o gigante japonês fez com o anúncio da PS VR, a Microsoft está determinada a alterar por completo o paradigma do mundo de consolas e acabar com os rótulos de “consolas da próxima geração”.

A conferência começou de forma leve, com o anúncio da Xbox One S, que será 40% mais pequena e compatível com vídeo 4K. Por o preço de 299 USD, até é uma boa compra para quem não tenha uma Xbox One. Mas para quem tiver não há grandes motivos para a comprar. Isto porque para além das características anteriores, não há grande diferença entre esta e a Xbox One. E depois porque a Microsoft anunciou uma nova consola da família da Xbox One: a Project Scorpio.

Project Scorpio é uma resposta forte da Microsoft ao anúncio da SONY que disse “estar a preparar a consola mais poderosa já alguma vez feita”. Não só consegue correr jogos a 4K como tem um render de 60 Hz e ainda 6 teraflops de capacidade computacional. Até ao momento é, sem dúvida, a consola mais poderosa.

Como se não bastasse, a Microsoft está determinada a mudar as regras do jogo. Primeiro afirmou que esta nova consola continua a pertencer à família da Xbox, portanto todos os jogos desta consola vão ser compatíveis com ela. Depois anunciou também a plataforma Xbox Play Anywhere, que permite ligar a Xbox ao Windows 10, permitindo assim que os jogadores que possuam jogos para a consola os possam jogar num computador com Windows 10, e vice-versa, sem terem de comprar duas cópias diferentes. A Microsoft consegue assim que a guerra deixe de ser somente entre Xbox One e PS4, esta passará a ser entre Windows 10/Xbox e PS4, motivos sérios para preocupar a SONY.

 

Mas a conferência não se fez só de anúncios relativos ao hardware, também apresentou novos jogos.

Para todos os fãs das metralhadoras com serras eléctricas incorporadas, Gears of War recebe mais um título: Gears of War 4. Poderá ser mais do mesmo o mesmo pode ser dito de todos os shooters (sim Call of Duty, estou a olhar para ti)

 

Para os fãs de jogos de corridas, Forza Horizon 3 será lançado no final de Setembro. E a ver pelo trailer e pelo gameplay, a qualidade gráfica é espetacular.

 

ReCore é um jogo de aventura exclusivo para esta consola e para PC. Um jogo em que a personagem principal é uma dos últimos humanos num planeta dominado por máquinas. A única hipótese de salvar a humanidade será criar amizades e alianças com alguns robôs mais simpáticos. ReCore parece-me ser a resposta direta ao jogo Horizon Zero Dawn da PS4. Qual o melhor só mesmo experimentando.

 

A saga de chacina de zombies, completamente desprovida de sentido e com o único principio de ser cómica, Dead Rising, volta a ganhar mais um título: Dead Rising 3

 

Outro que muitos poderão achar engraçado é Sea of Thieves. Um jogo de co-op de primeira pessoa que decorre num ‘mundo aberto’ baseado nas Caraíbas. Nele os jogadores podem ‘criar’ as suas próprias histórias, através de várias utensílios que se encontram dentro do próprio jogo. Uma coisa é certa, as batalhas de barcos estão espectaculares.

 

A PlatinumGames, a mesma que nos trouxe Bayonetta, volta à carga com Scalebound. Um jogo que embora tivesse sido pensado já em 2006, só começou a ser desenvolvido em 2013 para dar espaço para a mulher com pistolas nos pés. Muito à estilo non-sense japonês (tal como Bayonetta), este RPG de acção mete os jogadores a trabalhar em conjunto para derrotar criaturas colossais.

 

A Microsoft também aposta em alguns jogos alternativos ou simplesmente ‘esquisitos’. Inside e We Happy Few são dois exemplos disso. Aqui fica o trailer do segundo.

 

Houve também outros anúncios, alguns de jogos que também vão ser lançados para a PS4 como Tekken 7, Battlefield 1 e Final Fantasy XV. Minecraft voltou a ter algum foco com Minecraft Realms. Houve também anúncio de novas funcionalidades da Xbox, como Clubs, Looking for Group e Arena. Clubs procura ser uma espécie de ‘gestor de guilds’ para a Xbox Live. Looking for Group, tal como o nome indica, serve para cada jogador se publicitar a ele próprio para ser mais fácil de encontrar com quem jogar. A funcionalidade Arena servirá para jogadores profissionais competirem em torneios lançados pelas próprias companhias de jogos (a primeira a experimentar esta funcionalidade será a Electronic Arts, com Battlefront e Battlefield 1).

No geral, a conferência da Microsoft na E3 não me despertou muito à atenção em termos de jogos. Mas os anúncios de hardware e da viragem no mundo das consolas são bastante interessantes. É esperar para ver o que o futuro destas reserva.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.