Um dos melhores jogos lançados em 2015, The Witcher 3: Wild Hunt foi extremamente bem recebido e rapidamente considerado como um dos melhores RPGs já lançados, recebendo cotações elevadíssimas. Só com pré-vendas, o jogo vendeu mais de 1,5 milhões de cópias e após uma semana de lançamento já tinha rendido mais de 6 vezes que o seu antecessor The Witcher 2: Assassin of Kings.

Desenvolvido pela CD Projekt RED, uma companhia de jogos Polaca, a saga The Witcher é baseada nas obras de Andrzej Sapkowski. Inicialmente a companhia tentou desenvolver outros projectos mas a crise de 2009-2010 impediu que fossem concretizados. Contudo a companhia aguentou-se e continuou a lançar novos títulos da saga The Witcher, lançando em 2011 o 2º título. Ao contrário de muitas outras companhias, principalmente as grandes como Electronic Arts, a CD Projekt RED focou-se mais em qualidade que quantidade e sempre foi contra medidas controversas como a DRM para impedir a pirataria. Ao contrário de outras companhias, a preocupação com a qualidade dos seus títulos fez a companhia lançar inúmeros DLCs grátis e fornecer expansões dignas desse nome e do preço pedido por elas.

Esse foco na qualidade verificou-se logo desde o primeiro jogo The Witcher. Quando se tornou óbvio que o guião do jogo original estava parcialmente confuso, ainda mais com a tradução para inglês, preocuparam-se em lançar The Witcher: Enhanced Edition gratuitamente, que corrigiu esse problema. Após o lançamento de The Witcher 2: Assassin of Kings, voltaram a fazer o mesmo, corrigindo alguns dos problemas do jogo.

Essa mesma preocupação com a qualidade está presenta também nos avanços gráficos visíveis nos 3 jogos, o que para uma companhia jovem e pequena é um enorme feito.

Evolução gráfica de Geralt desde The Witcher 1 até The Witcher 3

 

1
2
3
4
5
6
7
8
9
REVIEW GERAL
Avaliação Pessoal
9
Avatar
Engenheiro de profissão e gamer por gosto, João Paulo adora boardgames, RPGs de mesa e computador, RTS e shooters e olha para jogos para uma excelente forma de arte, transmitir emoções e contar histórias fenomenais.