Tropico 6

Bem vindos de volta a Tropico onde voltamos a ser El Presidente, o presidente/ditador de um conjunto de ilhas fictícias nas caraíbas! E claro, sempre apoiado pelo seu fiel conselheiro Penultimo!

Tropico 6 é a mais recente adição à saga Tropico. E tal como nos seus antecessores, o nosso trabalho é conseguir gerir os recursos da ilha, usa-los para gerar dinheiro e com este investir mais e mais. Em suma, o típico jogo de gestão e planeamento. E para quem conhece a saga, Tropico 6 é fenomenal porque não tenta ser diferente. Em vez disso volta a trazer-nos o que é familiar na saga e apenas acrescenta mais detalhes como edifícios, recursos, leis, mudanças à constituição, etc. Para quem não conhece a saga, Tropico é nada mais do que um jogo de construção de cidade mas nada parecido com Sim City. A escala é muito menor e o foco é a gestão de recursos e de cadeias de produção. Nele temos de construir tudo, desde estradas aos edifícios de produção, e não meramente distritos. E em termos de população, esta ronda as centenas e poderá chegar a poucos milhares.

Para além de termos de gerir recursos, Tropico faz-nos enfrentar a popularidade das nossas acções para com os habitantes, com eleições que nos podem remover do poder e consequentemente perder o jogo. Temos de conseguir agradá-los com habitação decente, saúde adequada, religião e diversão (que também pode ser usada para atrair turistas).

Claro que na maioria dos casos acabamos é a jogar mais como ditadores, a impor a nossa vontade e por vezes a manipular as eleições a nosso favor. Corre-se é o risco de incitar rebelião e ter mesmo de enfrentar grupos armados. Mas a vida de El Presidente é assim mesmo e todo o espírito do jogo gira à volta disso.

Tropico centra-se em ‘micro gestão’. Cada edifício tem não só a sua função, pode ter os seus próprios melhoramentos e até mesmo financiamento. Mas o jogo tem ainda uma micro gestão maior na população, onde pudemos ver as características de cada cidadão com grande detalhe. Idade, gostos, afiliações políticas, emprego e até mesmo descobrir cargos secretos que ocupem (como chefe do crime organizado, ou rebelde, por exemplo). Mais, cada cidadão tem a sua própria família e as acções que tomamos contra cidadãos individualmente afectam a felicidade e satisfação da sua família. Claro que é possível jogar sem esta micro gestão, focar-nos somente nos recursos e edifícios em geral e até aplicar melhoramentos para todos os edifícios ao mesmo tempo.

E como não podia deixar de ser, se somos lideres de um pequeno país temos obrigatoriamente de decidir sobre as suas leis, a sua constituição nos mais variados aspectos como decidir quem pode votar, passar leis que permitem ‘sugar’ dinheiro do país para a nossa conta privada, etc. Opções não faltam.

E o que traz Tropico 6 de novo? Mais edifícios, mais recursos e mais leis. Melhoramento gráfico, claro, mas bastante leve, e um pequeno aumento de dificuldade. As únicas grandes diferenças para o anterior são o comércio específico com outras nações, que ficou mais simples de entender, adicionou o ‘broker’, um agente especializado em comércio ilegal e semi-legal e que dá uso ao dinheiro da nossa conta privada, e acima de tudo foram adicionados piradas e opções clandestinas. Agora é possível roubar monumentos de outros países ou até mesmo sabotá-los! Mas cuidado para não os chatear, a pequena ilha nunca conseguiria enfrentar uma invasão em larga escala por parte de uma super potência.

A outra grande novidade é termos de desenvolver mais do que uma ilha. Muitos dos mapas foram divididos em várias ilhas pelo que é necessário conseguir criar travessias com barcos ou até mesmo pontes. Isto permite mapas maiores e únicos e até mesmo criar mais facilmente zonas especializadas.

Portanto volta a estes paraísos perdidos e cria uma pequena potência mundial!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.